23 de fev de 2012

Mulheres e soberania alimentar

No post Mulheres e economia, pontuamos como tem se dado a participação feminina na economia, com algum protagonismo e autonomia, mas não como fruto de um aumento de consciência e organização de gênero, mas pela feminilização da pobreza.

Esther Vivas contribui com a ideia da pobreza ser mais acentuada entre as mulheres com uma leitura das relações patriarcais no mundo desenvolvido e subdesenvolvido, para sabermos que a opressão a mulher não é uma limitação territorial.

21 de fev de 2012

A Liberdade na cidade

Blog Inferno de Dandi, que também discute o Direito a Cidade

Este é o título de um artigo de David Harvey que li hoje e vai ao encontro de um outro post: Sustentabilidade na urbes – O Direito a cidade.

Com muita pesquisa, Harvey pode explanar na teoria e na prática a territorialização que tem se dado nas principais capitais brasileiras e também em outras cidades mundiais, como são Paulo e Nova Iorque, o que pontua o que foi dito no post anterior, que as cidades não tem sido construída para as pessoas, mas para o capital e aplicação de seus excedentes.

18 de fev de 2012

setor privado fazendo educação ambiental? Isto não te soa estranho?



 A moda agora são as empresas com responsabilidade socioambiental, mais ainda se ela tiver projetos e atuação na comunidade, ai sim ela se torna bem verdinha, porque afinal, empresa boa é aquela que se preocupa com seu funcionário, com o impacto que causa ao meio ambiente e principalmente, o que ela faz pra melhorar o mundo.

Nada mais contraditório, mas este post não é pra falar sobre isso, até porque essa crítica já temos por aqui no blog.

O que a pesquisadora Carolina Messora Bagnolo tentou mostrar em sua tese de doutorado é como se dá a inserção das políticas ambientais empresariais nas escolas públicas de Mogi-Guaçu/SP, mas consideremos que os resultados locais podem ser espacializados para uma área mais abrangente (o Brasil todo??!!).

17 de fev de 2012

Seaworld no banco do réus

Adicionar legenda

A notícia é a seguinte: 5 baleias do parque norte-americano SeaWorld entraram com um processo por escravidão contra sua “benfeitora”, devido aos shows diários a que são submetidas e as condições de confinamento, apesar dos bons tratos que recebem. Bom, na verdade quem deu entrada no processo foi o pessoal do PETA – People for the Ethical Treatment of Animals.

O grande rebuliço está em torno de que as baleias, ou qualquer outro animal não é sujeito de direito na constituição dos Estados Unidos e de nenhum outro país (exceto na Bolívia), assim ainda não se sabe como será o andamento do caso. 

7 de fev de 2012

No foco o Programa das Nações Unidas para o desenvolvimento - PNUD


O Caçuá blog
O 20º relatório anual de desenvolvimento humano do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento – PNUD começa bem afirmando que a “desigualdade amplifica os danos ambientais, que por sua vez aumentam a desigualdade”, acrescenta ainda que são os países com baixo IDH os que menos contribuem para as mudanças climáticas globais, sendo no entanto os que mais sofrem suas consequências. Porém, entende que não seria razoável para o problema ambiental que estes países enriquecessem, já que o aumento de riqueza leva ao aumento das emissões de co2.

5 de fev de 2012

A grande fálacia de C. K. Prahalad

Crítica e análise de textos e livros é algo que neste ano de 2012 pretendo fazer aqui no blog. Estivemos (e digo no plural pois me refiro a Juliana também) de férias do blog, mas trabalhando muito na pousada que administramos em Cumuruxatiba-BA. E para iniciar essa tarefa, neste primeiro post de 2012, falarei um pouco sobre um livro que só recentemente li, mas que já a algum tempo estava na estante aguardando sua vez. Me refiro ao famoso “A riqueza na base da pirâmide”, de C. K. Prahalad. Não vou me ater neste texto em como o livro está estruturado e outros pormenores para não me alongar muito. A minha idéia é uma crítica mais abrangente.

O autor (Coimbatore Krisnarao Prahalad) foi um dos mais influentes especialistas em estratégia empresarial e possuía um grande prestígio no meio acadêmico e também no mundo dos negócios. Indiano de nascimento, mas de mente estadunidense, faleceu neste país no dia 16 de abril de 2010, aos 68 anos.

Prahalad é conhecido como o pai da riqueza na base da pirâmide, e neste seu livro discute estratégias e formas de se erradicar a pobreza no mundo através da atuação das grandes corporações multinacionais. Este livro foi um de seus últimos trabalhos, e assim como os anteriores, tornou-se rapidamente um best seller.

4 de fev de 2012

Resiliência pra quê mesmo?

Brasil resiliente
Como uma prévia para o que virá na Rio+20, a ONU publicou o relatório: “Pessoas resilientes, Planeta resiliente:um futuro que vale escolher”. O  relatório fala sobre a sustentabilidade global, mas na mídia o que mais repercutiu foi que o relatório apontou que no Brasil a desigualdade diminui, além de ter reduzido o desmatamento e ter apresentado bons índices na produção de energia limpa.

O relatório também aponta 56 recomendações para implantar uma mudança de modelo econômico que tenha como base o crescimento da produtividade e a redução no consumo de recursos naturais, relegando a ciência a responsabilidade pelo sucesso desta relação.
type='text/javascript'/>