27 de mai de 2012

INPE lança cartilha sobre meio ambiente e sustentabilidade


Nossa, essa cartilha é a master furada!! Leiam e não me desenganem.

A cartilha intitulada "O futuro que queremos - Economia verde, desenvolvimentos sustentável e erradicação da pobreza" apresenta toda a introdução da questão ambiental, desde a ECO-92 até os dias de hoje na RIO+20, com todo o otimismo dos ambientalistas abraça árvore que esperam que líderes mundiais venham a salvar o planeta, até porque já ficou bem claro onde cabe a participação popular neste evento.

23 de mai de 2012

O lixo dos shoppings e a conduta do usuário


Você deve conhecer um monte de gente que separa o lixo em casa né?! Algumas inclusive tem aquelas lixeiras coloridas, educativas pra separar ainda mais os resíduos.

Bom, segundo uma pesquisa feita em Brasília, quase 100% dos consumidores não descarta seu lixo nas praças de alimentação, isto porque é um espaço ‘público’, imagina no privado. A pesquisadora levantou que foram poucas as pessoas que jogaram seus resíduos no lixo (não estamos nem falando em separá-los) e que isso está muito associado a presença dos funcionários da limpeza nas praças de alimentação, como se estivessem ali para fazer aquilo que é sua obrigação.

O discurso é ainda mais ordinário, dizem que fazem isso pra dar emprego, assim como devem jogar lixo no chão para dar emprego ao gari...que tal o suicídio para dar emprego ao coveiro?! E não faça sujeira por favor, morte limpa tá?!

Sobre a questão dos “serviçais”, algumas pesquisas tem apontado para uma mudança neste comportamento, não porque esteja se construindo uma sociedade mais humana, que considere os funcionários ligados à limpeza como seres humanos, mas porque estes empregados tem conseguido empregos melhores, com salários melhores e com maior respeito socialmente.

Mais especificamente sobre as empregadas domésticas, sua origem remete ao período colonial e é um resquício até hoje, estando a classe média e alta (as mesmas que frequentam os shoppings) acostumada a ter empregados a seu redor, fazendo aquilo que é sua responsabilidade. No entanto, alguns comportamentos terão de mudar na marra, já que estas trabalhadoras tem conquistado poder de escolha e se retirado dos espaços domésticos, onde ainda são consideradas “como da família” (quem nunca ouviu isso?...como se não realizassem um trabalho).

Ainda sobre a pesquisa, outras conclusões foram tiradas, como a presença de orientações sobre a mesa levam a um comportamento positivo no sentido de jogar os resíduos no lixo, indo para além do impacto ambiental, dando ênfase a dimensão moral da conduta, até porque como já escrevemos em outros posts, a preocupação ambiental passa muito mais perto da boca do que do cérebro.


22 de mai de 2012

Planeta resiliente, pessoas resilientes - agora em português

No último dia 17 foi lançado em português o relatório da ONU "Planeta resiliente, pessoas resilientes - Um futuro digno de escolha".

O relatório já foi tratado aqui no blog, antes deste lançamento, apontando as contradições intencionais do documento, mostrando a ausência de um projeto filosófico a ser seguido.

Quem quiser ver mais, leia o post: Resiliência pra quê mesmo? http://na-beirada.blogspot.com.br/2012/02/resiliencia-pra-que-mesmo.html

20 de mai de 2012

Hipócrita e ordinário


Saiu no começo do mês duas notícias curiosas. Uma delas dizia que 94% dos brasileiros se preocupam com as questões ambientais, mantém boas práticas ambientais (diga-se reduzem o consumo de água e energia, até porque isso tem uma relação direta com o bolso e não com a consciência ambiental) e a maioria estaria disposta a pagar mais caro por produtos ambientalmente corretos.

Na contramão, as micro e pequenasempresas não acreditam em ganhos financeiros gerados por práticas sustentáveis. Aí que entra a curiosidade, já que o mercado é mantido pelo consumo e os consumidores disseram que pagariam mais por produtos verdes, o que os empresários estão esperando?!

Alguém está sendo hipócrita, me parece. Ou ambos.
type='text/javascript'/>